conteudo-de-negacao

Atualmente, as pautas sociais estão presentes no dia a dia da imprensa brasileira. E as redes sociais são uma das grandes responsáveis na disseminação deste tipo de conteúdo. O grande desafio é alcançar o maior número de pessoas possíveis para causas e movimentos sociais que precisam de atenção da sociedade. Os influenciadores digitais têm o papel fundamental para nortear essas narrativas dentro da internet.

O 3º Prêmio Microinfluenciadores Digitais e 8º Fórum sobre Marketing de Influência promovido pelo Cecom – Centro de Estudo da Comunicação, com o apoio da plataforma Negócios da Comunicação veem a necessidade de relevância de assuntos que envolve a conscientização e a valorização do conhecimento de causas, como no painel “Conteúdo em negação – como creators tem equilibrado a programação de conteúdo para também refletir o momento atual da sociedade”.

Participou da conversa Maria Teresa, diretora de multimídia da Plani, Vanessa Danieli, Ricardo Natale, CEO do Experience Club e Michel Arouca, Série Maníacos Tv.

Espaço para discussão

Colocar conteúdo de relevância social é um desafio, mas uma oportunidade de diálogo com o público. “Se eu posso enaltecer produções que realmente são importantes porque não, né”, explica Michel Arouca.

Colocar esses assuntos dentro das redes, tem que acontecer de forma orgânica partindo da personalidade e da identidade que a pessoa trás com ela. Sem forçar a espontaneidade do que é falado.

Vanessa Danieli, publicitária e criadora de conteúdo, milita dentro de causas sociais dentro do seu canal. Ao longo de sua trajetória ela mudou o conteúdo que aborda “Começei a usar as minhas redes para falar sobre conteúdo adulto, depois conteúdo nerd, geek e agora um conteúdo militante contra pornografia.”

Ela usa de suas experiências para falar sobre exploração sexual, saúde mental e relacionamentos abusivos. “Muitas pessoas deixaram de seguir, mas ganhei autoridade por esse conteúdo”, acrescenta Vanessa Danieli.

Marcas e valores

Ricardo Natale, trabalha com grandes gestores de empresas e tem a iniciativa de abrir espaço para o diálogo sobre o apoio a movimentos e causas. “ Tem que ter planejamento social, pegar parte do dinheiro e doar. Tem que estar muito dentro, ter sintonia, fazer sentido para eles.”

As marcas têm que ter cuidado ao associar-se a uma causa social e ser considerada como oportunista e ser apenas uma estratégia de marketing.

A diversidade é uma frente que as empresas perceberam que precisam atuar. “A diversidade aumenta o faturamento. A empresa que tem apenas uma linha de visão, ela só vai entregar uma linha de visão. Ou a empresa entende que hoje as transformações são feitas por mix de geração e gênero, ou elas não crescem.” A mudança no mindset está acontecendo com essa nova geração.

Saiba mais
Para assistir a live completa do 8º Fórum sobre Marketing de Influência – Empreendedores da Comunicação e do 3º Prêmio Microinfluenciadores, clique aqui.

banner-ofereciemento-micro