marie-claire
Com a ampla cobertura das consequências do novo coronavírus e a atual situação política e econômica no Brasil, o trabalho de diversas jornalistas ganhou ainda mais visibilidade – também acompanhado pelo movimento feminista, que levanta as questões de reconhecimento do trabalho de mulheres.

E como forma de homenagear estas profissionais da imprensa brasileira, a revista Marie Claire, da Editora Globo, escolheu estampar diversas capas e matérias especiais com 26 repórteres, editoras, fotojornalistas, radialistas, diretoras e apresentadoras que têm tido destaque ao tratar de assuntos como política, economia, saúde e racismo em novos formatos de trabalho no período de isolamento social.

Ao todo são 10 capas: 2 impressas e 8 digitais, com jornalistas como Maju Coutinho, apresentadora do Jornal Hoje; Andréia Sadi, apresentadora e repórter de política da GloboNews, do G1 e da CBN; Flávia Oliveira, colunista do jornal O Globo e da CBN, comentarista da GloboNews e apresentadora do Canal Futura; Vera Magalhães, apresentadora do Roda Viva, colunista do Estadão e editora do site BR Político; Natuza Nery, comentarista de política e de economia da GloboNews, colunista do G1 e comentarista da CBN; Flavia Lima, ombudsman da Folha de S. Paulo; Gabriela Biló, fotojornalista no Estado de S. Paulo.

“Em um momento em que nossa jovem democracia está sendo colocada à prova, são essas mulheres as que sofrem mais ameaças – de robôs da internet a membros do governo”, analisa Laura Ancona, diretora de redação da marca.

A partir de julho, a publicação ganhou duas colunistas mensais: Jurema Werneck, médica, doutora, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional no Brasil, e Djaimilia Pereira de Almeida, escritora angolana premiada com o Prêmio Oceanos em 2019.