De acordo com um levantamento realizado pela Adventures, o interesse sobre as diferentes gerações está em alta, mas pessoas da Geração X (entre 42 e 56 anos), mesmo com alto poder de consumo, estão fora da discussão.

Foi identificado um aumento de 127% no interesse por pesquisas relacionadas a Geração Z (nascidos a partir de 1995), 37% de aumento no interesse pela Geração Y (nascidos entre 1980 e 1994) e apenas 33% pela Geração X (entre 1965 e 1979).

A Geração X recebeu 4,5 mil menções, um valor que representa 92% menos menções que a Geração Y e 94% menos do que a Z. Ainda que pouco buscada na internet, o relatório indicou que as pessoas nascidas antes dos anos 80 movimentam 1,8 trilhão de reais.

Ainda assim, as conversas envolvendo a geração X não possuem foco apenas nela, e são direcionadas principalmente à comparação dela com as outras gerações em diferentes aspectos.

Essa geração é envolvida em conversas referentes à diferença geracional. O pico das menções foi durante a discussão entre a geração Z e os millennials em junho de 2021, mas não teve tanta intensidade quanto para os envolvidos de fato.

Essa geração ganha atenção especial quando alguma pesquisa atribui uma característica específica para esse grupo, como nos picos de setembro de 2020, onde um levantamento conduzido pela Fox News sobre a corrida presidencial dos EUA apontou que a maioria dos eleitores da geração X apoiava Trump.

Em relação aos hábitos de consumo, 87% desse público pagam para acessar conteúdo informativo exclusivo e 45% checam a internet para comprar valores durante uma compra. O relatório aponta também que existe uma lacuna no mercado, que não leva em consideração a Geração X na busca por tendencias de consumo, moda e beleza. Elas também não são levadas em conta no desenvolvimento de novas tecnologias.