A crise atual trouxe novos desafios para todos os setores produtivos. Além da necessária transformação digital, as pessoas estão repensando seus hábitos de vida e consequentemente, de consumo. O estudo Kantar Barômetro Covid-19, apontou que 88% dos brasileiros consideram que as marcas devem falar sobre sua utilidade para o novo dia a dia pós-pandemia. Isso reforça a importância da gestão da reputação e a necessidade das empresas em mostrar a sua razão de existir, no contexto que está sendo chamado de o “novo normal”.

Neste cenário, as marcas com propósito claro, empáticas e que se colocaram à serviço da sociedade, certamente sairão mais fortes. Por outro lado, quem ficou escondido embaixo da mesa, corre o risco de ter perdido espaço na mente das pessoas. Outro estudo da Kantar, BrandZ global, que acompanha marcas desde 2006, traz pistas sobre o impacto das crises na imagem das companhias. Uma das informações mais relevantes aponta que as marcas que investiram nos períodos de crise se recuperaram mais rápido e cresceram até cinco vezes mais do que as que cortaram investimentos. Vale refletir, não?

Na retomada, existem aspectos que não podem ser deixados de lado. Um deles é a visão de comunicação de fato integrada, mais digital, menos presencial e consciente da sua responsabilidade social. Para isso, cada vez mais nossas campanhas, ações e ativações precisam destacar o propósito das marcas e usar a inteligência de dados para atuar com eficácia e também cumprir seu papel para uma comunicação ainda mais responsável.

Outro aspecto que não podemos desconsiderar é a infodemia que veio acompanhando a pandemia. Um estudo do Gartner aponta que em 2022 os indivíduos de países desenvolvidos consumirão mais notícias falsas do que verdadeiras nas Redes Sociais. As fake news, além da questão comportamental, tem a seu favor os bots que estão à nossa espreita para nos jogar muitas vezes em territórios de informação não confiáveis.

O excesso de informação é uma realidade que já convivemos diariamente e os algoritmos estão à postos para nos oferecer informações que eles julgam mais adequadas para nossos gostos e interesses. Neste sentido, a geração de conteúdos úteis das marcas para as pessoas, aliado à técnicas de SEO podem ajudar as companhias a ter uma estratégia de conteúdo mais eficaz.

Paralelo a isso, o apoio para as empresas na comunicação com seus funcionários se torna ainda mais crítico. Tudo indica que teremos um modelo híbrido de trabalho presencial e remoto. O desafio de absorção da cultura da empresa, por exemplo, fica mais complexo e exigirá ainda mais transparência, constância e uso dos mais meios adequados.

A comunicação será um elemento essencial de reconexão no pós-covid-19. Para isso, nosso papel será ainda mais estratégico para defender os pilares de uma comunicação responsável, sustentável e útil para as pessoas.