Após importantes rodadas de financiamento para startups da América Latina, o Brasil fechou o período de 2021 com 13 novos unicórnios, gerando US$ 21,4 bi em investimentos para a região.

Com 31 empresas ou startups unicórnios avaliadas em mais de US$ 1 bi, o Brasil lidera o ranking seguido pelo México.

A Comscore analisou as companhias que ingressaram no ranking entre 2018 e 2021 avaliando o perfil de seus públicos e concluiu que as fintechs e os aplicativos de delivery assumiram grande relevância entre os consumidores.

“Ano após ano, as propostas disruptivas de engajamento com os consumidores se consolidam no universo digital e as empresas latino-americanas se destacam como benchmarks de inovação e tecnologia. O Brasil figura como forte participante na corrida de unicórnios, atraindo relevantes investimentos para a região. Nos próximos anos, continuaremos acompanhando sua evolução no ecossistema digital”, ressalta Ingrid Veronesi, diretora sênior da Comscore para Brasil.

screenshot_1

UNICÓRNIOS BRASILEIROS

A empresa brasileira de food delivery iFood é uma das propriedades digitais com mais audiência entre os unicórnios.

A empresa registrou 38,9 milhões de visitantes em 2021 em nível global, apresentando um crescimento de 17% durante o ano.

No Brasil, o iFood alcanca 29,6% da população digital. A empresa colombiana Rappi que faz parte desse mercado também se destaca com valorização de mais de US$ 5,250 bi.

Entre empresas de comércio eletrônico, os unicórnios do Chile e da Argentina, Cornershop e Tienda Nube, também são dois exemplos de marketplaces avaliados em mais de US$ 3 bilhões em 2021.

Além disso, segundo a Comscore, a Wildlife Studios, uma das maiores empresas de jogos para celular do mundo, também se destaca em audiência, com 13,5 milhões de usuários globais.

Este unicórnio brasileiro registrou em solo nacional que 65% de sua audiência pertence ao público de 15 a 34 anos, e 66% de sua audiência digital total são homens.

Essa lista de unicórnios também é composta por várias empresas Fintech, como Nubank, C6 Bank, Ebanx e Creditas no Brasil; Bitso, Clip, Konfio e Clara no México; e Ualá na Argentina.