A possibilidade de que os canais lineares se tornem mais fluidos já vem sendo estudada, e a chegada da TV 3.0 está prevista para 2024. O objetivo é que a TV aberta seja capaz de oferecer conteúdos de diferentes origens (transmitidos pelo ar ou pela internet) sem nenhuma descontinuidade, alinhando a programação às preferências dos telespectadores.

As adaptações e extensões do DTV Play para o projeto TV 3.0, que já está na fase 3, permitirão que as emissoras façam a segmentação de conteúdo, oferecendo programações ou comercializações alternativas pela internet, tudo isso de acordo com o perfil e os interesses de quem está assistindo.

“A ideia é unir e potencializar o alcance da TV aberta e a flexibilidade da internet. Será possível comutar de forma transparente entre os conteúdos mais populares que são transmitidos para todos de forma aberta pelo ar e os conteúdos personalizados que são transmitidos sob demanda pela internet”, afirma Luiz Fausto, coordenador do Módulo Técnico do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre.

Além disso, independente da conexão do televisor com a internet, o sinal de TV aberta transmitido pelo ar vai permitir uma maior segmentação geográfica, fazendo o reuso do mesmo canal em diferentes estações transmissoras, com diferentes conteúdos locais da mesma rede.

“Isso vai beneficiar especialmente quem vive fora dos grandes centros, que poderá ter acesso a mais programações de relevância local através da TV aberta, favorecendo o desenvolvimento da cultura, dos esportes, das artes e do jornalismo locais.”, complementa.

Publicidade customizada e direcionada é o futuro da TV aberta

VANTAGENS PARA A PUBLICIDADE

Tanto os anunciantes quanto as emissoras terão potencial de entregar conteúdos inovadores com essas novas possibilidades.

Para os anunciantes, o conteúdo personalizado sob demanda pela internet traz a possibilidade de novas janelas de exibição com menor custo do que as que estão atualmente disponíveis na TV aberta.

Oferecer conteúdos de maior qualidade e relevância é a grande vantagem para as emissoras, favorecendo a sustentabilidade econômica da oferta do serviço em novas janelas comerciais.

“Com a oferta de novas janelas de exibição de publicidade, inclusive com opções de menor custo do que as atualmente disponíveis em televisão aberta, espera-se um aumento, com maior capilaridade e diversificação, dos investimentos publicitários em televisão, que serão acessíveis a anunciantes de todos os tipos e tamanhos”, explica Fausto.