Após um ano de 2021 que trouxe mudanças para a maneira que trabalhamos a comunicação, desde os tipos de conteúdos produzidos até as plataformas utilizadas, temos em 2022 diversos novos desafios para os profissionais de comunicação. Para falar sobre como agências e empresas precisam se planejar para uma comunicação de qualidade neste ano, a Negócios da Comunicação entrevistou Arthur Alves, head da Locaweb PRO, rede de negócios focada em auxiliar profissionais da internet, sejam eles desenvolvedores, agências, revendedores ou freelas.

“Tivemos um ano de 2020 que pegou todo mundo de surpresa e em 2021 as pessoas passaram a entender como passar por essa situação, as micro e pequenas empresas aprenderam a gerir esses problemas no seu dia a dia e as agências precisaram se reinventar”, destaca Arthur Alves.

Como exemplo dos desafios enfrentados, ele cita o setor de hotelaria, que viu seu modelo de negócio inviabilizado durante a pandemia, e agências especializadas nesse nicho precisaram mudar completamente a maneira como trabalham.

“2021 foi um ano de muito aprendizado e com o que experienciamos no ano anterior possibilitou que muitos conseguissem prosperar mais. Nesse sentido, temos um histórico cada vez maior que nos possibilita estar mais preparados para 2022, o que pode trazer uma sensação maior de tranquilidade”, reforça Alves.

Arthur Alves, head da Locaweb Pro
Arthur Alves, head da Locaweb Pro

 

“Nós já sabemos o que esperar daqui para frente e não podemos ser pegos de surpresa. Temos o histórico de outros países que realizam uma reabertura mais cedo e agora o que falta é começar a trabalhar e se preparar para o que vem por ai”, complementa.

Para Arthur, existem alguns pontos chaves que devem entrar no radar das agências e dos profissionais de comunicação que desejam estar preparados para o próximo ano.

“Nós já vemos surgir situações que vão se tornando cada vez mais difíceis de se trabalhar como, por exemplo, em um cenário onde tudo está migrando para o online, nós vemos agências que ainda não trabalham com o e-commerce, demoraram para entrar nesse meio e começando isso em 2022 vão estar trilhando um caminho que vários já percorreram – mas eu diria que é essencial trabalharem com o e-commerce o quanto antes”, alerta.

Com o anúncio do fim dos cookies (dados de navegação dos usuários) em websites e as mudanças trazidas pela LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), as estratégias de remarketing devem perder força no próximo ano, segundo o executivo da Locaweb Pro. De acordo com Arthur Alves, estratégias de SEO e marketing de conteúdo deverão voltar a ser prioridade dentro de muitas agências.

“Se formos olhar o mercado desde 2019 até 2022, os grandes “players” continuaram e os pequenos sofreram muito e realmente precisaram de uma reviravolta para continuar funcionando, mas até mesmo quem já estava consolidado precisa entrar numa competição acirrada para se manter relevante e precisam estar preparadas com o planejamento adequado para este ano”, alerta Alves.

Conhecimentos ideais

Para Arthur Alves, ter domínio sobre as ferramentas de monitoramento será ainda mais essenciais em 2022, citando como o exemplo o Facebook Business e o Google Analytics, que “estão cada vez mais estruturados, com dados de qualidade, com métricas palpáveis, porque, no final das contas, o que vai ser o seu diferencial é aquela performance a mais que você teve em determinadas situações”, explica.

De acordo com o executivo da Locaweb Pro, os profissionais de comunicação de empresas de todos os portes também devem estar preparados para conseguir produzir conteúdo em formato de vídeos curtos, como o TikTok ou o Kwai, que estão em crescente expansão no mercado. Além disso, o crescimento da utilização de inteligência artificial e chatbots, que passam atuar não apenas com texto mas também reconhecimento de voz, deve ser um ponto de atenção para as empresas.

“Vamos ver cada vez uma competição muito grande por aqueles funcionários que já possuem os conhecimentos específicos tem facilidade em aprender e se adaptar às mudanças na tecnologia e no mercado, porque a capacitação ainda é uma barreira muito grande para muitas pessoas”, destaca Arthur. Para ele, essa questão ainda será muito mais um problema do que uma solução para a maioria das empresas.

Novos desafios

Arthur Alves acredita que as agências terão um desafio a mais este ano, porque existe uma tendência em grandes empresas começarem a gerir internamente o seu marketing. “Começar a buscar clientes de pequeno e médio porte pode ser uma saída legal para conseguir compor o seu faturamento no final do mês”, indica.

“Na Locaweb, por exemplo, nós temos como objetivo auxiliar a digitalizar cada vez mais as micro e pequenas empresas, além de auxiliar as grandes empresas em áreas que elas ainda não possuem os conhecimentos específicos. Por meio do ‘Profissionais de Internet’, nós buscamos unir o cliente final com agências e desenvolvedores que oferecem os serviços digitais que eles necessitam”, explica.