Painel do 8º Fórum sobre Marketing de Influência e do 3º Prêmio Microinfluenciadores Digitais discutirá o papel da verdade para quem produz informações e as distribui

Valores sempre atrelados ao jornalismo, a verdade e a transparência no trato com as informações distribuídas na rede tem estado presente na responsabilização de influenciadores nas redes sociais por discursos produzidos por eles. De nada adianta relevância sem preocupação com veracidade.

Este será um dos temas discutidos no 8º Fórum sobre Marketing de Influência e do 3º Prêmio Microinfluenciadores Digitais, que será realizado no dia 6 de março, de forma 100% digital, das 9h às 19h.

Verdade e transparência

A microinfluenciadora Bruna Andriotto, reconhecida como uma das mais relevantes na categoria Economia pelo 3º Prêmio Microinfluenciadores Digitais, leva essa responsabilidade – que ela considera “imensa” – bastante a sério.

“Antes de indicar alguma empresa ou alguma forma de renda extra, eu faço testes, uso, pesquiso e depois passo para os meus seguidores”, explica. “Eu acredito que as pessoas se conectaram com a minha história e com meu conteúdo, exatamente por isso. Sempre fui muito aberta, mostrando minhas qualidades e meus defeitos. Isso fez com que milhares de pessoas se identificassem comigo e se encontrassem nas minhas dicas.”

Caso parecido com o de Karin Rodrigues. Eleita entre as três mais relevantes microinfluenciadoras na categoria Meio Ambiente, ela considera primordial “falar a verdade, abrir o coração e exercer coerência entre fala e ação.”

“As pessoas criam expectativas sobre você e te colocam em um pedestal. Sempre preciso repetir que sou só um ser humano, lutando por um mundo menos poluído”, anota. “Encaro a responsabilidade com muita seriedade. Checo as fontes e penso muito antes de escrever ou falar algo, sempre revendo como posso fazer de formas mais empáticas e respeitosas.”