Sem aviso prévio, o novo coronavírus obrigou organizações de todos os portes e setores a se reinventarem em uma velocidade nunca antes vista. Devido às medidas de isolamento social, as empresas passaram a ter, quase que de um dia para o outro, grande parte ou a totalidade dos seus colaboradores trabalhando à distância. Com isso, alguns desafios despontaram como cruciais, entre eles promover a integração das equipes e engajar colaboradores nas diversas mudanças decorrentes da pandemia. Mas tamanha transformação só poderia acontecer se, mesmo fisicamente distantes, todos estivessem compartilhando da mesma sintonia – e a comunicação entraria como ferramenta indispensável para isso.

Com milhares de colaboradores entrando em Home Office em um curtíssimo período, foi necessário reorganizar todas as rotinas e repensar uma série de processos, lembrando sempre que teríamos que fazer tudo isso garantindo o mesmo nível de serviço aos clientes e sem perder a nossa essência. Uma das primeiras iniciativas que tomamos foi a realização de lives especiais para toda a liderança, nas quais discutimos como seria a gestão à distância a partir de então. Além disso, ficou decidido que seriam mantidas todas as práticas da liderança que aconteciam antes da pandemia, como sessões de coaching, feedback e trocas diárias entre supervisores e atendentes. Um dos pontos mais fortes da nossa cultura sempre foi o ambiente de alta cooperação, daí a importância de manter essas práticas que tanto nos aproximam.

Indo além das atividades diárias, a mudança para o modelo de trabalho remoto também trouxe mais um desafio que teria a comunicação como sua grande alinhada: a necessidade de desenvolver novas competências. Por isso, criamos novas trilhas de treinamento online para gestores e times. E, no meio de um período de pandemia tomado por tantas incertezas, passamos a comunicar, de forma clara, o que esperamos neste novo momento dos nossos associados (como chamamos nossos colaboradores). Isso significa, por exemplo, começar a reforçar pontos como a importância de se orientar por entregas, e não mais por tempo de trabalho. Uma verdadeira mudança cultural, um novo mindset, que exige que todos saibam com clareza como será preciso evoluir e se transformar, junto com a organização.

Certamente, a pandemia trouxe um cenário extremamente desafiador para todos, deixando bem longe qualquer zona de conforto. Todos perdemos um pouco por não termos mais aquele contato diário que tínhamos na atividade presencial, mas, por outro lado, conseguimos aproveitar este momento para intensificar a digitalização das relações com nossos associados e tornar nosso negócio ainda mais inovador. Nesse contexto de pandemia, com certeza já aprendemos muito e vimos que podemos ser diferentes – e melhores. Por mais que já estivéssemos nesse caminho há muito tempo, percebemos que, juntos, poderíamos construir uma nova Tech ainda mais ágil, digital e preparada para o futuro.

Isso não quer dizer, porém, que será uma empresa menos humana, muito pelo contrário. Principalmente agora, em que estamos fisicamente distantes uns dos outros e vivenciando uma crise sem precedentes, temos mais do que nunca nos lembrar da importância da empatia e da proximidade. Por mais que a maior parte dar organizações esteja dando grandes saltos na sua transformação digital, não podemos jamais perder de vista a capacidade de nos relacionar. Juntos, e com o mesmo propósito, seguiremos nos transformando.