Conforme a creator economy amadurece, pesquisas estão sendo realizadas para melhor entendimento desse tipo de trabalho. A plataforma Linktree publicou ‘2022 Creator Report’, uma pesquisa com 9.500 criadores de conteúdo sobre suas rotinas.

De acordo com o relatório, mais de 200 milhões de pessoas podem ser classificadas como criador de conteúdo.

A empresa define como criador qualquer indivíduo que utilize de sua influência e criatividade para monetizar seu público, independente da plataforma em que o conteúdo esteja sendo publicado.

Dentre esses criadores, cerca de 46% daqueles que produzem em tempo integral ganham menos de US$ 1 mil por ano. Apenas 12% ganha acima de US$ 50 mil por ano.

A pesquisa também revela que a maioria dos criadores de conteúdo que produzem em meio período ganham menos de US$ 1 mil, representando 68% desse público.

Em relação ao emocional, cerca de 39% dos criadores – independentemente de seu nível de renda – afirmam sentir algum nível de estresse. Dentre os influenciadores que trabalham em tempo integral, 13% dizem estar estar extremamente estressados e que precisam tomar medidas para reduzir o estresse.

Apenas 12% dos criadores de conteúdo que trabalham em tempo integral recebem mais de US$ 50 mil por ano

Tempo de produção

Gastar mais tempo na produção não significa obter uma renda mais alta. Cerca de 52% dos criadores que faturam entre US$ 50 mil e US$ 100 mil por ano utilizam menos de dez horas por semana para produzir.

Entretanto, 32% gasta mais de dez horas semanais trabalhando no conteúdo e recebem até US$ 10 mil por ano.

Criação por nicho

Segundo a pesquisa, cerca de 62% dos criadores de nicho acreditam que a especialização é vantajosa pois auxilia no engajamento e alcance.

Além disso, 37% dos criadores de nicho se envolveram em uma colaboração de marca pelo menos uma vez. Já para aqueles que não fazem parte de nenhum nicho, esse número é de 26%.