Os números de audiência do Instagram cresceram na pandemia do coronavírus e deixaram para trás o Facebook, indica estudo feito pela Socialbakers com as 50 maiores marcas mundialmente, como Walmart, Unicef, Vodafone, Samsung, Heineken e Airbus. “O Instagram é cada vez mais o lugar certo para as empresas se mostrarem de maneira criativa, estimular engajamento e aumentar o reconhecimento da marca. Enquanto isso, o Facebook continua sendo a melhor opção para alcançar segmentos específicos do público e transformar leads em clientes”, afirma Alexandra Avelar, country manager da Socialbakers no Brasil.

Apesar de as marcas apostarem mais no Facebook para publicar conteúdo – quase 60% de todos os posts feitos pelas 50 marcas aconteceram na rede social criada por Mark Zuckerberg -, ainda assim o Instagram conquistou 28% a mais de audiência no primeiro trimestre de 2020, quando a maioria dos países do mundo entrou em quarentena pela pandemia.

O total de interações geradas no Instagram foi 16 vezes maior que o do Facebook, que também apresentou números positivos no engajamento dos usuários, mas tem enfrentado questões de fake news e mensagens de ódio em grupos. Recentemente, a empresa lançou uma campanha para combatê-las, oferecendo 100 mil dólares para quem desenvolver um sistema eficaz para fazer a identificação automaticamente.

“Durante a pandemia, vimos o quão importante a mídia social se tornou e como é um local ideal para os consumidores descobrirem conteúdos. As pessoas estão gastando mais tempo nas redes sociais e as querem sentir que suas marcas preferidas estão se envolvendo para ajudar nesse período de crise”, afirma Alexandra.

Público engajado
Estudos realizados durante a quarentena apontaram que houve crescimento em todas as redes sociais, o que beneficia a atuação das marcas e dos influenciadores. Como uma análise feita pela Spark, durante o mês de março, mostrando que influenciadores que publicaram sobre o coronavírus tiveram uma taxa de engajamento média aumentada em 1,2 vezes em relação às suas publicações tradicionais. É o caso de Gabriela Pugliesi, que ganhou cerca de 120 mil seguidores após revelar que testou positivo para a Covid-19.

Durante o pico da crise mundial, Facebook, Instagram e WhatsApp tiveram um crescimento de cerca de 40% no período, apontam dados de março divulgados pela Kantar.

Já a Squid, especializada em marketing de influência, também apontou números positivos para o período de isolamento social: em comparação com o mesmo período no ano passado, houve um aumento de 24% na taxa de engajamento e 27% no alcance efetivo da ferramenta de ‘Stories’ do Instagram.