Mais de 80 jornalistas das editorias de economia e setor automotivo foram convidados a integrar o Workshop de Mídias Digitais, com apresentações de executivos do Google, YouTube e Facebook com orientações sobre as ferramentas das principais plataformas de comunicação e como elas podem aprimorar a cobertura jornalística.

O interessante é notar que a iniciativa não foi promovida por nenhum veículo de comunicação ou entidade de jornalistas, mas, sim, pela Volkswagen do Brasil. “Realizamos de forma pioneira um evento com o objetivo de colaborar com os profissionais da imprensa que querem se tornar influenciadores, aumentando a visibilidade e a audiência dos conteúdos que produzem”, diz André Senador, diretor de assuntos corporativos e relações com a imprensa.
Não foi uma experiência única na empresa. Outros assuntos e editorias da comunicação também são alvo de trabalhos da Volkswagen nessa proposta de ampliar as discussões dos profissionais envolvidos em temas como engenharia, sustentabilidade e responsabilidade social. “Além do lançamento dos novos modelos para a mídia especializada, trabalhamos sempre no sentido de disponibilizar os recursos que temos na empresa para ampliar o conhecimento dos jornalistas sobre os produtos”, ressalta Senador.
Já faz um bom tempo que os departamentos de comunicação das empresas deixaram de ser um número de telefone que disparava posicionamentos oficiais ou sequências automáticas de “nada a declarar” e passaram a assumir uma função complementar no fornecimento de informação e conteúdo para a imprensa. Alguns desses setores foram além: passaram a investir também em conhecimento e na própria formatação do mercado de comunicação.

Estímulo

O banco Santander também possui uma agenda voltada ao desenvolvimento de temas pertinentes ao mercado da comunicação. Além de ser patrocinador de eventos voltados aos profissionais da mídia, há ainda outras propostas do próprio banco, como frisa a superintendente executiva de comunicação externa, Clau Duarte.
“Além do atendimento diário diferenciado e de qualidade, nossa equipe realiza ações estratégicas, como visitas e manhãs técnicas nas redações com executivos do banco, encontros de relacionamento, entre outros”, diz. Outra proposta é focada na formação da futura geração no mercado. “Neste ano, fizemos a 11ª edição do Prêmio Santander Jovem Jornalista, em parceria com o jornal O Estado de S. Paulo”, ressalta a superintendente.

Experiências

Na Siemens, iniciativas dessa natureza são periódicas, seja em forma das conferências de imprensa ou das viagens, as press trips. Em 2016, a empresa levou um grupo de jornalistas para conhecer iniciativas relacionadas a esse momento da Indústria 4.0 e, também convidou profissionais para a maior feira de tecnologia do mundo, Hannover Messe, na cidade de Hanover, Alemanha (terra natal da Siemens), onde puderam conhecer iniciativas não apenas da empresa, mas também de companhias incubadoras de tecnologia dos Estados Unidos e do governo alemão.

“Essas propostas têm um foco cada vez maior em inovação, em aproximar os jornalistas das tendências atuais em tecnologia e aproximá-los, também, de clientes e entidades de vanguarda, especialmente nos segmentos de digitalização e eletrificação”, explica José Gonçalves Neto, head de relações com a mídia da Siemens do Brasil.

Não é uma busca por espaço em veículos; é uma troca mútua
de conhecimento

Na Toyota do Brasil esse conceito de proximidade com o profissional da mídia está integrado ao radar do departamento de comunicação, uma vez que a empresa é patrocinadora de eventos que têm como foco os profissionais da comunicação. “Valorizamos as relações de transparência e a troca de experiências com todos os stakeholders, não só como filosofia, mas, principalmente, prática cotidiana”, afirma Ricardo Bastos, diretor de relações públicas e governamentais. “Com isso, mantemos uma atitude bastante positiva, um atendimento próximo e que enxerga as necessidades de cada veículo/jornalista, uma vez que temos um relacionamento profissional bastante amistoso”, diz.
A Philips Brasil, por sua vez, destaca ações e experiências voltadas ao mercado do jornalismo em seu planejamento anual. “Sempre que pertinente, investimos em ações que agreguem para a imprensa, como eventos e congressos”, ­explica o gerente de marketing e comunicação, André Toledo, que complementa: “São oportunidades para um contato mais pessoal com os jornalistas e para a proximidade com os produtos e serviços oferecidos pela marca”.

Educação

Durante o mês de junho, jornalistas tiveram a oportunidade de assistir, gratuitamente, a um evento prático, na presença de especialistas que abordaram as principais mudanças da lei eleitoral — o tema foi uma preparação do mercado para as eleições municipais. A proposta não é novidade, mas uma tradição organizada pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, que ocorre duas vezes ao ano —atualmente está em sua 42ª edição.
A proposta da ESPM é atrair profissionais da imprensa para os múltiplos eventos que são promovidos em seus campi, como forma de disseminar o conhecimento que a escola se predispõe a fazer. O evento Imprensa na Escola reúne em média 80 profissionais para levar informação qualificada e discutir sobre um tema da atualidade: Jogos Olímpicos, eleições, política, entre outros. O papel da iniciativa é trocar experiências e gerar um conteúdo de relevância, seja para formação profissional ou disseminação de conhecimento.
Já na Fundação Dom Cabral, de acordo com a gerente de comunicação, Marina Spínola, as portas estão sempre abertas para os jornalistas. “Esse atendimento se dá, em grande parte, por meio de nosso corpo docente, que é considerado pelos jornalistas como fonte fidedigna dos principais temas da ordem do dia como ética, governança, economia, sustentabilidade, entre outros”, conta.
Guilherme Franco, vice-presidente de marketing e vendas da Kroton Educacional, conta que além das divulgações e interações diárias com jornalistas, também trabalha a formação desse público.

“Nossa estratégia e planejamento com os veículos incluem encontros de relacionamento e eventos voltados para a aproximação da experiência acadêmica nas instituições de ensino superior”, explica. Um dos resultados dessa política é o em OFF, programa ministrado por docentes do grupo em diversas unidades e que toma forma de treinamentos, workshops, palestras, oficinas, sempre exclusivas aos profissionais de comunicação. “O grande valor das ações não está apenas na busca por um espaço em veículos; não basta um release, é preciso compreender as necessidades dos profissionais que atuam no mercado editorial, criar estratégias criativas e estreitar um relacionamento mútuo de troca de conhecimento e ética”, diz.