A General Electric (GE) tem em seu planejamento de comunicação um objetivo audacioso: mostrar aos brasileiros que podem contar com tecnologia de ponta em diversas áreas de atuação — diagnóstico por imagem, melhor iluminação de suas ruas, tratamento de água e esgoto, até motores de avião de alta performance, dentre outras soluções.

O êxito foi atingido graças ao trabalho em conjunto com a imprensa. “Pudemos mostrar para os consumidores que as tecnologias B2B de uma companhia impactam diretamente a vida de todos”, explica Filipe Xavier, líder de relações com a mídia da GE para o Brasil, que ressalta que assim conseguiram posicioná-la pela primeira vez no Brasil como “a maior empresa Digital Industrial do globo”.

Para isso, a GE conta com uma diretoria de comunicação que possui líderes para diferentes áreas, como imprensa, comunicação interna, mídias sociais e Public Affairs. Todo o departamento segue a filosofia de relações públicas One GE. “Vemos a agência como parte do time e trazemos seus especialistas para nos ajudar desde a concepção das ideias, passando pela execução e chegando aos melhores resultados”, pontua o líder. No próximo ano, a previsão é a de manter o nível de trabalho com o público de jornalistas e mostrar como recursos do Big Data e a Conectividade vão revolucionar a produtividades das empresas no Brasil e no mundo.

Os resultados dessa estruturação são reconhecidos também pelos profissionais de comunicação, que elegeram a GE uma das Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas. Mas o caminho para uma comunicação eficiente das premiadas passa por diversas vias.

Interna

Como é o caso do Grupo Águas do Brasil, que possui assessorias totalmente internas. “Todos os profissionais são funcionários do Grupo; cada concessionária tem um setor de comunicação local e a comunicação institucional centraliza o trabalho de todas as nossas assessorias”, relata Flávia Risso, superintendente de comunicação. A apuração é feita em todas essas unidades e transmitida com agilidade à imprensa e, assim, à população. “A transparência e a qualidade na comunicação com o jornalista são pontos fundamentais para que a informação seja passada da forma mais correta possível”, diz.

Já a Caixa Seguros optou por uma agência terceirizada diferenciada. “Escolhemos um modelo no qual a empresa contratada nos presta atendimento personalizado, sendo que a equipe fica na sede da seguradora”, cita Sany Silveira, diretora de comunicação e ­marketing. A agência propõe pautas, opina sobre demandas e sugere publicações. “Procuramos uma empresa que possa prestar um atendimento exclusivo, que esteja sempre disponível e que tenha conhecimento técnico sobre nosso negócio”, explica a diretora.

Assessoria é fundamental para promover não somente pautas, mas temas nas agendas políticas

Para a SulAmérica, a emissão de mensagens tem o desafio de abordar diversos segmentos: saúde, auto, vida, investimentos, previdência, capitalização, entre outros. A Superintendência de Relações Institucionais e Comunicação com a Imprensa é parte da vice-presidência de Controle e Relações com Investidores da empresa.

“Na minha visão, faz todo sentido em uma companhia de capital aberto, em que a atenção à acuracidade das informações e à transparência dos processos comunicacionais é ainda maior”, salienta Arthur Farme d’Amoed Neto, vice-presidente de controle e relações com investidores. “Esta superintendência, que é parte do corpo da companhia, conta com o suporte de agências que operacionalizam o fluxo com veículos impressos e digitais e trazem inputs para a melhoria contínua do trabalho junto aos jornalistas e influenciadores digitais”, diz.

Na pauta

Para a Copagaz, o objetivo dos processos de comunicação é levar informação à imprensa e, dela, para os milhões de consumidores de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) no Brasil. “Questões do mercado e, principalmente, de segurança, uso adequado do produto, funcionalidades, dicas de economia, entre outros temas”, explica a coordenadora de ­marketing da Copagaz, Marcella Guimarães. A parceria de atendimento na empresa é feita, há muitos anos, pela Virta Comunicação Corporativa. “É nosso principal elo de comunicação e relacionamento com a imprensa, bem como responsável pela gestão da nossa marca na mídia”, conta a coordenadora.

Quem também opera com agência externa é a Faber-Castell que, segundo a gerente de comunicação, Elaine Mandado, tem a premissa de atender prontamente a imprensa. “Trabalhamos com uma política de interação com a mídia, e buscamos manter um relacionamento cordial, produtivo e transparente com os veículos em geral”, diz.

Conversas entre áreas internas e externas dimensionam a comunicação da Janssen Brasil, que possui uma área de Comunicação & Public Affairs, e conta com o apoio de uma assessoria de comunicação, a Jeffrey Group. “O planejamento é feito em colaboração, não apenas entre agência e área de comunicação, mas também com outros importantes stakeholders internos”, relata a gerente sênior de comunicação, Patrícia Costa.

O passo inicial dessa conversa é a definição da estrutura desse projeto e, a partir daí, a proposta é que o trabalho siga de forma mais livre. Essa etapa se desenvolve de maneira semelhante na Aegea Saneamento. “O período de maior ‘engessamento’ no ritmo de trabalho é durante a construção da curva de aprendizado sobre o negócio da empresa”, relata o CFO da Aegea, Flávio Crivellari. O trabalho de divulgação de informações e atendimento, feito em parceria com a Edelman Significa, tem constituído um eixo importante das atividades.

“Se hoje o saneamento básico está inserido na agenda política — como podemos observar no conjunto de prioridades dos projetos sob a supervisão da Secretaria de PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) do Governo Federal — muito se deve ao trabalho que os comunicadores deste segmento têm conduzido, de destacar a importância do saneamento básico para o desenvolvimento social e econômico do país”, afirma Crivellari.