Por Beatriz Luanni, Simone Nunes, Leticia Scudeiro e Sabrina Rodrigues*

O Segundo Fórum de Jornalismo Regional e Comunitário, que aconteceu na Unibes Cultural, contou com um painel voltado para as plataformas digitais. A abertura do evento, foi realizada pelo diretor geral da Revista Negócios da comunicação, Márcio Cardial, que falou um pouco das parcerias e projetos que esse ano estão envolvidos com o Fórum. A programação teve início com o painel “Digital First e a contribuição das plataformas digitais para o trabalho jornalístico”, com a participação de Carlos Aros, diretor de conteúdo da Jovem Pan News; Gustavo Poloni, diretor de parceiras de notícias do Twitter para a América Latina; Maíra Carvalho, gerente de parcerias estratégicas de mídia do Facebook e Rafael Corrêa, Head de Comunicação do Google Brasil, sob a mediação do professor de mestrado em comunicação da Cásper Líbero Carlos Costa.

Maíra Carvalho contou sobre as estratégias e novas ferramentas desenvolvidas dentro do Facebook para auxiliar e facilitar o dia a dia dos jornalistas na plataforma. Explicou sobre a missão de apoiar publishers e jornalistas em notícias locais, e as ferramentas e produtos como stories, lives, IGTV, Facebook Watch, entre outras. Ela também falou sobre maneiras oferecidas pelo Facebook para ampliar a divulgação de notícias e propagandas para impulsionar a distribuição de matérias por meio do site, e a marcação de produtos e marcas, que visam o engajamento com o público alvo.

Funcionalidades
“Há também a opção dos grupos, que está disponível para que jornalistas, publishers e redações possam adicionar às suas páginas e criar um maior laço comunicacional entre o público. Além do estúdio para gerenciar a criação de conteúdo em diversas contas”, aponta Maíra, que ainda explicou algumas funcionalidades novas do Facebook e sobre o CrowdTangle, ferramenta comprada pela rede social, que é oferecida gratuitamente para jornalistas e redações, além da parceria realizada pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), que oferecem cursos para profissionais.

Já Gustavo Poloni, diretor de parcerias de notícias do Twitter, falou sobre a importância dessa plataforma de comunicação para o jornalismo. Segundo Poloni, o “Twitter é o que está acontecendo”, e o que difere essa rede de comunicação de outras, como o Facebook e o Instagram, é o fato de o Twitter ter como missão, servir a conversa pública, promover debates acerca de assuntos que interessam não apenas determinado público, mas sim a todos que procuram estar a par do que está acontecendo no momento.

Três vezes mais rápido
Tendo como ponto de partida a importância da notícia para o Twitter e vice-versa, Poloni explicou que a preferência da audiência, gira em torno de assuntos jornalísticos, de informação e não apenas de entretenimento, e que dados comprovam que as notícias chegam nessa plataforma digital três vezes mais rápido que em outras redes. Para exemplificar a importância do Twitter na divulgação de informações, Poloni relembrou alguns casos que apareceram na mídia, como o da tragédia de Brumadinho, o tiroteio que aconteceu em uma escola em Suzano, e um dos casos mais recentes, o sequestro na ponte no Rio Niterói, para mostrar que as primeiras informações sobre esses acontecimentos, surgiram primeiro no Twitter, comprovando que realmente, as informações chegam primeiro nessa plataforma.

Poloni, ainda falou sobre alguns movimentos que acabam ganhando mais força, como o caso da repórter do Sportv, que ao se preparar para realizar uma passagem, foi assediada. O caso ficou conhecido principalmente, após a repórter tuitar coisas a respeito do acontecido, mostrando sua indignação. Por meio de seus perfis algumas instituições e até mesmo clubes esportivos se solidarizaram e surgiu o movimento #deixaelatrabalhar.

Carlos Aros, diretor de conteúdo da Jovem Pan News, apresentou a evolução dos conteúdos relacionados a comunicação, uma plataforma que antes era destinada somente a rádio que passou a ter conteúdos digitais. A Jovem Pan tem mais de 86 emissoras afiliadas produzindo conteúdos jornalísticos nas redes AM e FM. Em sua apresentação, Carlos falou sobre a importância das notícias serem veiculadas no ambiente FM, um espaço que antigamente era voltado apenas para músicas, começou a ter programas jornalísticos.

Comunidade
No começo existia programas em horários específicos e como a audiência continuava alta, as rádios da Jovem Pan FM resolveram apostar em jornalísticos durante os programas. Carlos também citou um certo estilo de notícias que não se encaixa em São Paulo, mas na Jovem Pan News de Bauru, por exemplo, é um lugar onde a cidade se posiciona a respeito de vários assuntos relacionados a cidade. “É um bate papo com a comunidade”, resume. Pensando nesse aproveitamento, segundo ele, a Jovem Pan tem dois projetos voltados para unificação de plataformas de suas rádios, além de um mecanismo unificado de comunicação com as diversas regiões ouvintes.

Rafael Corrêa, representante da Google no Brasil, encerrou o painel apresentando em sua palestra, a importância do jornalismo na plataforma Google. Segundo Rafael “ é importante para os veículos estarem conosco, pois dessa forma as suas notícias recebem os privilégios que merecem”. Ele apresentou também as várias iniciativas da plataforma em inserir o jornalismo e a interação com os usuários. Como o recente projeto “Desafio da Inovação”, que financiará ideias jornalísticas. Ressaltou ainda, a importância que o jornalismo tem tido nos últimos anos na plataforma, com o crescimento da audiência no canal YouTube, e a acessibilidade que milhões de usuários têm ao acessar notícias de diversos meios de comunicação, podendo ser em tempo real.

*O CECOM – Centro de Estudos da Comunicação firmou uma parceria com a Universidade Cruzeiro do Sul e juntos promoveram um laboratório com os estudantes do curso de Jornalismo para a cobertura do FJRC 2019.